23 de agosto de 2017

PSICOLOGIA DURANTE TRATAMENTO ONCOLÓGICO

Você sabe por que o atendimento psicológico é muito importante durante o tratamento Oncológico? Neste texto vamos abordar algumas mudanças vivenciadas após diagnóstico e explicar brevemente acerca da atuação deste profissional para amenizar os impactos negativos que podem ocorrer durante este novo processo.
O Anúncio de uma doença, principalmente quando tratamos de oncologia, geralmente traz uma desorganização no que se refere a aspectos psicológicos no paciente, assim como em seus familiares. Apesar dos avanços da medicina, ser diagnosticado com câncer ainda carrega um estigma muito forte. Ocorre imediatamente o confronto da ideia, que comumente carregamos, de domínio sobre o nosso futuro, o que pode gerar muita insegurança. Este confronto muitas vezes nos coloca de frente com pensamentos relacionados à perda de autonomia, impotência diante do adoecimento, desesperança e também acerca da finitude. Geralmente a descoberta da doença é vivida pelo paciente/familiares como um momento de muita angústia e temor, no qual não são raros questionamentos disfuncionais (por que comigo? Não mereço passar por isto!) e também intensificação de sentimentos negativos como tristeza, raiva e ansiedade. Encontram-se presentes angústias relacionadas a temas como as alterações na imagem corporal (como por exemplo, queda do cabelo, retirada da mama), sexualidade, questões relacionadas ao trabalho, mudanças e preocupações ligadas aos aspectos financeiros. Questionamentos acerca dos tratamentos recomendados, como o início de quimioterapia, possibilidade de cirurgias, radioterapia, também podem se tornar muito assustadores em um primeiro momento. Você já parou para pensar quantas mudanças ocorrem em um curto período de tempo e com a ideia de que não se estava “preparado” para arcar com tudo isto? Sendo assim, todas estas alterações, podem ocasionar abalos significativos e até devastadores na vida do paciente e seus familiares se não contarem com um suporte adequado.
A Psicologia promove um espaço de escuta diferenciado ao sofrimento psíquico, a singularidade e as demandas individuais ou familiares. Através da sua intervenção, visa auxiliar na recuperação do paciente, pensando em sua integralidade e também oferecer o suporte apropriado que ajude desmistificar muitas situações. Todos nós possuímos recursos próprios para combater momentos de dificuldades e manter o otimismo parece essencial na construção, assim como na melhora de estratégias de enfrentamento da situação de adoecimento. O psicólogo pode auxiliar na aquisição de tais estratégias, assim como evidenciar que estas podem se manifestar de maneira muito particular.
Considera-se que, nem sempre somos assertivos com as nossas emoções, muitas vezes não damos a importância necessária ao que sentimos e pensamos. Muitas pessoas demonstram dificuldade em reconhecer e explorar suas emoções, pois esta foi uma habilidade pouco desenvolvida em sua trajetória. Será que é sempre fácil reconhecer o que realmente estamos pensando e sentindo?!. Não são poucos os casos de pacientes que apontam a dificuldade em se expressar e abordar questões importantes para compreensão de tantas transformações. Faz-se necessário compreender que as emoções negativas fazem parte do nosso dia a dia e que são esperadas diante de vários estímulos vivenciados. Devemos acionar o nosso alerta, assim como fazemos para outros sintomas manifestados pelo nosso corpo, quando estas ocorrem frequentemente, gerando prejuízo a nossa vida, incluindo nossa tomada de decisões e adesão ao tratamento. É necessário oferecer espaço para se falar da doença, seus aspectos negativos, perdas associadas, mesmo que temporárias, e de quaisquer outros temas que o paciente julgar importante. Torna-se fundamental considerar que cada um irá enfrentar este processo de uma forma e não devem ocorrer julgamentos acerca desta experiência única para cada indivíduo. Estar presente neste processo de ressignificação do adoecimento e da identificação das emoções presentes, assim como explorar novas possibilidades dentro de toda situação vivenciada são algumas das contribuições que o psicólogo pode auxiliar. Tenha este profissional, assim como toda equipe, como seu aliado. Todos estão dispostos a ajudá-lo. O papel do psicólogo não é julgar ou falar o que deve ou não fazer ou sentir, mas dividir essa avalanche de pensamentos/sentimentos que surgem buscando melhorar sua qualidade de vida.

Ficou com dúvidas? Entre em contato comigo.

Iracy Patricia Tonolli
CRP 12/06740
Psicóloga